Alunos produzem e lançam foguetes

 
Objetivo é ser pré-selecionado para a 13ª edição da MOBFOG Objetivo é ser pré-selecionado para a 13ª edição da MOBFOG

Mais uma vez os alunos de 1º ano do Ensino Médio da EIC participam da Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG). Nesse ano a atividade foi apresentada aos alunos na sala de aula, onde eles receberam alguns links de vídeos e documentos de como deveria ser executada a montagem do foguete. A atividade foi realizada em grupos, contando com o apoio dos professores em sala de aula para solucionar as possíveis dúvidas quanto ao funcionamento do protótipo. Participam do projeto os professores de física, química e matemática (Jéssica Rodrigues Fermino, Maria Bruna de Souza, Claudimiro Gomes da Silva, respectivamente), auxiliados pelo coordenador do Ensino Médio Roberto Fujino.

Os lançamentos ocorreram a cada turma, sempre após as aulas do período da tarde. Cada turma foi organizada em grupos e, assim, os alunos foram instigados pelos professores envolvidos a executar a montagem do aparato, com o auxílio de vídeos existentes na plataforma da MOBFOG. Essa montagem foi realizada a partir de duas ou mais garrafas pets de qualquer volume, presas numa base de lançamento q eu é fixada no chão. Como combustível, é utilizada a mistura de vinagre (com concentração de 4% de ácido acético) e bicarbonato de sódio (puro ou contido no fermento em pó). A reação química entre o vinagre e o bicarbonato de sódio deve ocorrer principalmente dentro do foguete, o que gera o fator propulsor. Durante a execução da montagem do foguete, que foi realizada pelos grupos em casa, os alunos traziam suas dúvidas para a sala de aula para, assim, os professores auxiliarem na montagem do aparato.

Segundo os professores, a atividade busca estabelecer uma relação dos assuntos teóricos estudados como lançamentos de projéteis e terceira lei de Newton, com a prática. Cada turma teve uma data marcada para a realização dos lançamentos, que só poderiam ser lançados obliquamente, pois o objetivo é obter o maior alcance horizontal possível. Após o lançamento de cada grupo, os professores realizaram as medidas e, a partir delas, foram selecionados alguns trabalhos que receberam o convite para melhorar seu equipamento com a intenção de que consigam atingir uma medida acima de 100 m para participar da Jornadas de Foguetes, já que esse é um dos requisitos para a equipe ser pré-selecionada para o evento da 13ª MOBFOG.

A atividade desenvolvida foi uma iniciativa da coordenação e professores que teve como objetivos fomentar o interesse dos jovens pela Astronáutica, Física, Astronomia e ciências afins, promovendo a difusão dos conhecimentos básicos de uma forma lúdica e cooperativa, mobilizando, alunos, professores, coordenadores pedagógicos, diretores, pais e escolas em torno de atividades aeroespaciais.

Para a professora Jéssica Rodrigues Fermino,"o resultado final do trabalho foi muito gratificante, conseguimos perceber a empolgação dos alunos e a vontade de querer melhorar seus equipamentos para obter melhores resultados. Também conseguimos instigar a busca, a pesquisa e a experimentação, pois foi por meio das tentativas que conseguiram verificar o que precisava ser alterados em seus foguetes, fazendo com que eles pudessem compreender, reconhecer e tomar decisões que fossem relevantes para um trabalho bem realizado. Foi um projeto de muito envolvimento, que exigiu muito empenho e dedicação dos alunos", disse ela.

Paulo Henrique Cícero Ferraro, aluno da turma A, relatou que a atividade foi "uma ótima experiência, pois fortaleceu o trabalho em grupo e expandiu grandemente o conhecimento e a busca dele, exigiu muito esforço e força de vontade, mas valeu muito a pena".