Vulcões em erupção

 
Reação química torna concreta a teoria vista em sala Reação química torna concreta a teoria vista em sala

Na aula de ciências, alunos puderam simular

a tragédia natural no laboratório

Para tornar mais concreto para os alunos do 6º ano do Ensino Fundamental o estudo de placas tectônicas e seus fenômenos naturais, a professora Cristiane de Freitas realizou uma experiência no Laboratório de Ciências, proporcionando a eles a simulação de um vulcão em atividade.

Sobre a base de papelão, os estudantes moldaram uma montanha, com a argila, ao redor de uma garrafa plástica, de modo que a abertura dela ficasse rente à superfície do vulcão. Depois, eles pintaram a lateral do vulcão, simulando a lava. Após a secagem da tinta, teve início a parte científica do trabalho: a professora foi colocando ingredientes no interior da garrafa e a reação deles deu a ideia de como a erupção acontece.

Para concretizar o fenômeno, foi usado água, corante ou pó de gelatina vermelha, bicarbonato de sódio e detergente, colocados no interior da garrafa nessa ordem e misturados com uma colher. Em seguida, aos poucos, a professora despejou vinagre no interior da garrafa e a reação química aconteceu, captando a atenção dos alunos.

"Essa atividade pretende ajudar a entender as causas dos desastres naturais que ocorrem ao redor do planeta. Nosso papel de professor é despertar nos alunos o interesse nos fenômenos da natureza que ocorrem mundo no qual vivemos", disse a professora.

Cristiane aproveitou o tema para explorar a criatividade e a imaginação dos alunos dos 6ºs anos, indo além das aulas explicativas em sala. "Assim eles puderam colocar na prática, de forma dinâmica, tudo o que entenderam sobre o interior da terra", considera.